Ao contrário do que se imagina, idade não é documento quando se trata de conseguir um emprego. Quem já passou dos 40 anos tem chances de encontrar uma oportunidade de trabalho e, dependendo da posição, pode até ser preferido por empresas que buscam pessoas com mais experiência. Não se apegue a mitos que falam das dificuldades de arrumar um emprego depois dos 40! Atualmente, o mercado assume uma nova postura, muito mais voltada à valorização da experiência e da garantia da diversidade também de gerações dentro das organizações.

Há sempre portas apertas para os que querem voltar à ativa no mercado de trabalho, ainda mais se experiência e maturidade são fundamentais para o bom desempenho da função. Porém, é preciso apresentar agilidade, pró-atividade e vontade de aprender sempre.

Se você ficou muito tempo fora do mercado, ou está mudando de carreira, não espere uma remuneração alta. Lembre-se que você está recomeçando. Sua experiência poderá ser usada para negociar uma remuneração mais elevada quando conseguir comprovar o retorno financeiro que ela pode gerar. Se esse retorno não for mensurável, analise as possibilidades de vagas e escolha a que mais se adequa ao seu momento de vida, levando em consideração outras vantagens como a proximidade da sua residência, flexibilidade de horário, a possibilidade de trabalhar em regime home-office e o pacote de benefícios, principalmente a assistência médica que tende a ficar mais cara nessa faixa etária.

Veja oito dicas para se preparar e conseguir aquela vaga cobiçada!

1. Confiança acima de tudo

Cada vez mais as empresas estão derrubando a “barreira da idade”. Há oportunidade para todas as faixas etárias. Portanto, confie em si mesmo e procure o seu propósito profissional.

2. Aprenda algo novo

Para quem nunca trabalhou, é preciso fazer um curso de qualificação na área em que se deseja atuar e, especialmente, adquirir conhecimentos de informática. Com a informatização e automação dos serviços, a habilidade de trabalhar com tecnologia está se tornando cada vez mais importante em todas as áreas e níveis hierárquicos.

Já para quem está afastado do mercado de trabalho há um certo tempo, é importante fazer cursos de atualização, verificar o que mudou na atividade que exercia, e quais conhecimentos devem ser aprimorados para o domínio da profissão atualmente. Há uma série de novidades para serem absorvidas, como softwares de última geração, mudanças na legislação e até mesmo um novo ritmo, processos e cultura corporativa.

Lembre-se que muitos sindicatos, ONGs e entidades de classe costumam oferecer cursos gratuitos de capacitação.

3. Aprenda com os mais jovens

Estar disposto a conhecer o novo e aceitar que esse ensinamento muitas vezes virá de alguém mais jovem é fundamental para que o retorno ao mercado seja bem-sucedido.

O fato de ter um chefe com menos idade não deve ser encarado como uma barreira, mas sim como uma oportunidade de aprendizado. As empresas têm buscado cada vez mais preparar esses gestores para os possíveis choques culturais entre as gerações.

4. Atualize o seu currículo

Se você está fora do mercado há alguns anos, é bem provável que o seu currículo esteja em um formato desatualizado. O currículo é o seu primeiro contato com o recrutador, por isso, prepare-o de forma objetiva. Ninguém quer saber do curso de datilografia que você fez em 92. Para conhecer novos modelos de currículos e quais os pontos mais importantes, faça uma pesquisa na Internet em canais confiáveis como sites de revista de negócios e consultorias de recursos humanos.

Destaque no currículo o cargo e as atividades exercidas de forma resumida, clara e em ordem cronológica, datando o período em que assumiu cada função. No descritivo de cada cargo, ressalte os resultados, habilidades e conquistas importantes ao longo da sua trajetória profissional. Também vale mencionar no histórico profissional trabalhos voluntários realizados que ajudaram a adquirir experiência para determinadas funções.

5. Acione seus contatos

Procure amigos, colegas, ex-chefes, familiares e conhecidos na hora de buscar emprego e peça indicação de vaga e de outras pessoas que possam ajudá-lo a encontrar uma oportunidade.

6. Use as redes sociais

As empresas e consultorias de recursos humanos costumam postar vagas e procurar os profissionais que buscam na Internet. Portanto, busque e cadastre-se oportunidades no LinkedIn, Indeed, Google e sites de empregos confiáveis.

Leia os anúncios com muita atenção e preencha o cadastro sempre que encontrar uma posição que tem a ver com seu perfil.

7. Reforce suas qualidades na entrevista

Na entrevista, concentre-se em seus pontos fortes e nunca naquilo não sabe ou não teve oportunidade de conhecer. Se você está de frente para o recrutador é porque ele acredita que você tem as qualificações e seu currículo chamou a atenção a ponto de fazê-lo crer que a sua contratação pode agregar valor para a companhia.

Conte sua história com calma, focando nas experiências mais relevantes e que estão relacionadas com a vaga. Porém, cuidado para não ser prolixo e acabar revelando ao recrutador os seus medos.

Para os recrutadores é mais importante perceber o quanto o candidato está interessado em agregar valor para a empresa do que alto cargo que ocupava antes de se distanciarem do mercado.

8. Trabalhos temporários

Os empregos temporários podem ser o caminho tanto para adquirir experiência como também para conseguir efetivação em cargo fixo. Por isso, nesse caso, é importante mostrar as suas habilidades e eficiência para deixar uma imagem positiva à empresa para qual está prestando serviço.

Sobre o Autor

João Dantas é Gerente de Recursos Humanos da Gi Group Brasil.

 

Compartilhe a história